quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

A mulher que chorava de negro


havia uma mulher que chorava de negro

as lágrimas eram negras
os olhos eram negros
as rugas eram negras
as mãos eram negras
os pés eram negros
o coração era de ouro



a fome era negra
os caminhos eram negros
o saco do correio era negro
que levava às costas era negro

a mulher que chorava de negro



a casa era negra
o borralho apagado era negro
o estrado era negro
a cama era negra

a mulher que chorava de negro



o sono era negro
a madrugada era negra
o dia era negro
a esperança era negra

a mulher que chorava de negro




um dia pediram-lhe para chorar
porque estava vestida de negro
por fora e por dentro
e
a mulher que chorava de negro


pensou que talvez o choro 
se abrisse em bátega
e esta em rio 
e este em mar 

a mulher que chorava de negro


pensou, pensou 
e começou a chorar de negro
um choro baixinho e negro
que entrava em todas as frestas negras

a mulher que chorava de negro


quando uma mulher de negro
chora baixinho 
um choro mais negro que o negro
é um raio de sol
que se abre no coração 

a mulher que chorava de negro


e a mulher de negro 
começou a chorar baixinho
e quanto mais chorava
mais o sol lhe aquecia a alma

a mulher que chorava de negro


quanto mais chorava 
o negro fado negro
mais o sol lhe pintava a cara 
as lágrimas 
os olhos 
as rugas
as mãos 
os pés 
o coração

a mulher que chorava de negro



surpreendia-se a mulher de negro
porque a fome 
os caminhos 
o saco do correio 
que levava às costas 
deixavam de ser negros

a mulher que chorava de negro


enquanto chorava a mulher de negro
a casa clareava
o borralho acendia-se 
o estrado esbranquiçava
a cama ficava alba 

a mulher que chorava de negro


adormeceu a mulher de negro
em seu sono cândido
de madrugadas imaculadas 
e  dias inocentes
de pura esperança santa

a mulher que chorava de negro




e nessa madrugada inocente
a mulher deitada de negro
sorriu o riso mais imaculado e simples
de mãos sobre o peito 
partiu nas asas do vento e da harmonia

a mulher que chorava de negro





Manuel Rodas


Fotos Povo que canta, Giacometi, 1970

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

História e perspectivas futuras para o desenvolvimento da zona compreendida por Soajo, Castro Laboreiro, Lindoso , Lobios e Entrimo





(Ver videos no final do texto)



História e perspectivas futuras para o desenvolvimento da zona compreendida por Soajo, Castro Laboreiro, Lindoso , Lobios e  Entrimo 


A expressão contrabando designa a introdução clandestina de produtos num território demarcado por uma fronteira político-administrativa.
As trocas comerciais entre Soajo e a as zonas galegas vizinhas desde sempre foram reprimidas, sendo apenas autorizadas em casos especiais, como foi o caso da concessão “aos  Monteiros de Soajo, o privilégio para vender seu gado na Galiza, para  repairo  do seu mantimento”, conforme  Carta de D. João II e confirmada por D. Manuel I datada no Porto, 12 de Dezembro de 1483, (Datas1498-12-08, Código de referência PT/TT/CHR/K/32/55-179, Cota atual Chancelaria de D. Manuel I, liv. 32, fl. 55).
O problema humano do contrabando, vivido na raia de Castro Laboreiro e Soajo  com incidências sociais e dramáticas, aparece tratado no cinema português também nos filmes de Jorge Brum do Canto, «Lobos da Serra» (1942) e no romance Serra Brava, de Miguel Ângelo de Barros Ferreira, sendo este bem expressivo e de abundante pormenorização acerca do tráfico de bovinos, aproveitando os campos contíguos das faldas da serra de  Soajo com as pastagens galegas.
O contrabando nos lugares da Várzea e de Paradela, freguesia de Soajo, concelho de Arcos de Valdevez,  era uma tarefa individual, realizada por pessoas a partir dos 12, 13 anos e até que as pernas pudessem aguentar a sinuosidade dos caminhos e o lusco fusco das manhãs e crepúsculos.
Era uma atividade, na maioria das vezes efectuada por mulheres e raramente por homens, realizada a pé, não organizada, não tendo grupos ou chefes.
As más condições de vida a que estavam sujeitos levavam-nos a não perder a oportunidade de complementar os seus rendimentos familiares.
O objectivo era que através do contrabando, os parcos lucros obtidos ajudassem a ultrapassar algumas dificuldades principalmente às famílias mais numerosas e com mais carências económicas, dos dois lados da fronteira.
Todos sabiam que era uma transgressão, um desafio às autoridades, mas era essencialmente, uma oportunidade lucrativa, individual e não sistemática, isto é, ocorria em períodos de maior necessidade.
Trocavam-se ovos, açúcar e café, por bacalhau, bebidas, enxadas, roupa, talheres e facas de cozinha. Às vezes, estendia-se o olhar e o apetite para coisas como, tabaco, café, sabão, chocolate, açúcar, arroz, panelas de esmalte e…alpercatas.
 Muito raramente alguém tinha uma encomenda dum vizinho e arriscava satisfazê-la, podendo acontecer antes de altura festivas ou cerimoniais, como casamentos e batizados, procurando aí sapatos, perfumes, anéis, escovas do cabelo, travessas do cabelo, ganchos e roupas mais baratas.
Para além deste contrabando de cariz doméstico, existia ainda outro contrabando, mais organizado, mas realizada por pessoas estranhas a estas duas comunidades, contrabandistas independentes, contratados, ocasionais e contrabandistas profissionais, homens e mulheres, enleados numa teia complexa de redes e relações sociais, sendo a passagem de mercadorias através da fronteira efectuada pelos mais fracos e que menos beneficiavam com a atividade. Dadas as dificuldades de acesso, este tipo de contrabando procurava mais a fronteira de Lindoso, a sul da Várzea e de Paradela.
O contrabando  era de tal forma reprimido que havia dois quartéis da Guarda Fiscal, um na Várzea e outro em Paradela, distando entre si perto de 4 quilómetros e a sua existência era mais uma forma de demonstrar o poder do Estado e de opressão às comunidades, pelo regime do Estado Novo.
As pessoas desta comunidade mantinham forças de coesão que as tornava solidárias com as necessidades alheias e, assim, a atividade era vista como sendo justificada moralmente, os indivíduos que a praticam são vizinhos honestos e justos, porque compram as mercadorias que passam e fazem-no para sobreviver.
Para alguns havia ainda uma justificação política e afirmação de liberdade e oposição e não se deixam subjugar às regras que lhes são impostas por estado autoritário e indiferente às necessidades individuais.
Outros aspectos da natureza individual da personalidade dos sujeitos eram valorizados, como a coragem, a capacidade de sacrifício, a inteligência para escapar  aos guardas fronteiriços ou a forma como lidavam com a repressão e os castigos, não sendo de negligenciar outros fatores, como a sorte!

Os habitantes da Várzea passavam no Salto, antes da Mistura das Águas, dirigiam-se habitualmente e de preferência ao lugar vizinho galego de Olelas para obter as provisões necessárias e realizarem as suas trocas.
Os de Paradela seguiam outro percurso, mais temerário, pois, para além de terem de ludibriar os guardas do Posto de Paradela, enfrentavam ainda as patrulhas do Quartel de Lindoso. Nem uns nem outros desejavam ser encontrados pelos carabineiros, em Espanha.
Desciam ao rio, ao Pontão e na Casiela,  passavam o rio Lima e seguiam para Buscalque, Azeredo, Entrime ou Lobios. No regresso, seguiam ordem inversa sempre com o pé ligeiro e olho fino. Saíam de manha bem cedo e regressavam à tardinha, depois de observar os guardas a regressarem ao posto, com os pastores que regressavam a casa com os gados.

Durante e após a revolução espanhola (1936-1939) a Espanha funcionou como receptor de mercadorias de todo o género oriundas de Portugal, incluindo bens alimentares. Na Várzea e no Olelas, socorreram-se alguns refugiados, ficando na toponímia local o Coto do Fascista e designaram um lugar do lado português, como o Teso do Inimigo.
A relação da Várzea com o Olelas e Entrime era de grande proximidade provocada pelo isolamento dos dois lados e era frequente o convívio nas danças e cantares e festas, bem como na ajuda nos trabalhos domésticos, registaram-se alguns casamentos e padrinhos e afilhados dos dois lado da fronteira. Esta relação de proximidade prolongou-se por muito tempo, pois ainda nos anos 60, eu e meu irmão fomos de Ramil ao Olelas buscar um casal de pombas de rabo de leque, que nos tinha oferecido um amigo de meu pai, Alfredo Broas, pai duma rapariga, Celeste Soares, em Paradela.
Ainda hoje lá se dança o S, o Vira minhoto e a Cana Verde, danças típicas do Minho e de Soajo.
Os habitantes da Várzea e Paradela tinham ainda o direito baseado no costume pastorear as vacas e cavalos no Quinjo, espaço da serra espanhola, como refere José de Sousa Rodas, no livro Por Soajo, ed. Câmara Municipal Arcos de Valdevez, (1999).
Alguns tinham ainda propriedades na margem do rio Laboreiro, mas do lado espanhol.
Conta-se o caso duma mulher da Várzea querer ir à festa ao Olelas e na proximidade da aldeia galega, um Guarda Civil questionou-a sobre o Passaporte.
Esta, sentindo-se em casa e no seu ambiente natural, apoiada pelos vizinhos que com ela faziam o percurso, perguntou ao guarda se ele queria ver mesmo o seu passaporte, ao que ele respondeu que era para isso que ali estava.
Não se fez rogada a mulher, poisando os parcos haveres e de imediato, deitando as duas mão às bainhas das saias, levantando-as, expõe ao guarda a sua intimidade mais pura  e natural, dizendo, Veja, sr. Guarda, o meu passaporte.
Perante a risada geral e o incómodo do guarda, que julgando-a doida, ficou-se vê-la  pegar nos seus haveres e subir o caminho. Assim, lá foi ela da missa e procissão à arrematação, desta à mesa farta e daí, à dança, até o sol se começar a pôr e voltar a descer ao rio e regressar à Várzea, com o Passaporte no mesmo lugar.

Guarda Fiscal

A génese do corpo de fiscalização fronteiriço português, Guarda-fiscal remonta ao século XIX, aquando das reformas do Estado Liberal relativas à importância económico-financeira das fronteiras. A Guarda-Fiscal deriva da junção dos corpos de Guardas de alfândega e Guardas Barreiras. De forma simples, a Guarda-Fiscal surgiu através da conjugação de corpos fiscais embrionários, em 1885.
A estrutura da Guarda-Fiscal sofreu poucas alterações no decorrer da 1º República, passando pela Ditadura Militar até ao Estado Novo. As suas operações continuaram a circunscrever-se ao controlo das fronteiras e à repressão do contrabando. A presença dos militares fiscais nas zonas de fronteiras tinha como função principal reprimir os atos de contrabando, alargando-se a função, nos anos 50 e 60 do século XX, à contenção da emigração ilegal.
Os soldados que viviam nos quartéis, cerca de 8 a 10 homens cada um, eram provenientes principalmente, de zonas rurais do interior e nordeste transmontano e mantinham uma boa vizinhança com os habitantes locais, chegando, nos dias de folga, a colaborar com eles nas tarefas agrícolas.
Alguns casaram com mulheres dos lugares, tendo estas de acompanhar os maridos quando eram transferidos. Para elas, além do apelo do amor, era também uma oportunidade de casarem com um funcionário do Estado, garantindo assim, a subsistência de forma mais desafogada. Neste caso se inclui a irmã de Firmino Barbosa, (meu avô), Maria Barbosa, que casou com um Guarda Fiscal em Paradela e foi com ele viver para Algândega da Fé, nunca mais tendo voltado à sua terra natal.
Em cada lugar (Várzea e Paradela) existia um posto fiscal que servia de repartição e alojamento aos agentes.
O Posto de Paradela era uma casa agrícola, pertencia a Firmino Barbosa,  adquirida pelo Estado Português, por expropriação forçada, para após obras de adaptação, aí albergar os soldados da Guarda-Fiscal, no ano de ???
O posto da Várzea foi construído de raiz, no ano de ???
Os postos eram comandados por um Cabo e eram dotados de escritório, onde se organizava a parte administrativa e burocrática. Havia ainda uma casa de banho e  cozinha coletivas, dormitório albergando os guardas que estivessem de prontidão ou os agentes que neles residissem permanentemente e uma arrecadação para arrumos diversos e apreensão de material. No posto de Paradela existia um pequena sala de reuniões, onde eram combinadas as saídas, os percursos e as rondas.
A área de controlo e de influência de cada posto terminava no início do posto fiscal seguinte, e daí por diante. Assim, o de Lindoso terminava no de Paradela e este no da Várzea e este no de Castro Laboreiro.
As fiscalizações das áreas pertencentes a cada posto eram feitas por patrulhas móveis.
A partir de 1986, com a adesão de Portugal e Espanha à Comunidade Económica Europeia e consequente adopção de uma política de livre circulação de pessoas, mercadorias e capitais entre os Estados membros, o contrabando deixou de existir enquanto prática, substituindo apenas no espaço da memória, e se não for preservada, morrerá também com o passar dos tempos. Esta medida conduziu à desocupação gradual destes imóveis.
O posto de Paradela foi posto em hasta pública, acabando na posse da Câmara  Municipal de Arcos de Valdevez, que por sua vez, o cedeu para utilização da Associação Cultural, a Casa do Povo de Paradela. Após recuperação e obras de beneficiação é o local de acolhimento de alguns bens da igreja, na cave e a parte restante é utilizada para eventos da referida associação.
O Posto da Várzea passou por várias casas, tendo-se fixado naquela que veria a sua extinção (quando?)
Alguns acabaram por aí casar e constituir família. Conta-se  que o Guarda Fiscal, pai de Afonso Pinto, cansado de ver as pessoas a passarem no Salto, resolveu ir ao local e depois de fazer uns buracos nas grandes pedras que davam acesso à outra margem, os encheu com pólvora e rastilho e as fez explodir. Satisfeito com o seu trabalho foi à Secção do Comando na Ponte da Barca e após contar o seu feito ao sargento, assegurando que já não passava mais ninguém. O sargento respondeu-lhe que podia ir para casa pois, tinha deixado de fazer falta, tinha acabado com seu ganha pão.
Em Espanha a fiscalização e repressão do contrabando estava a cargo da Guarda Civil de fronteira, vulgarmente conhecidos pelos contrabandistas como carabineiros. Este corpo desempenhava funções semelhantes à Guarda-Fiscal na luta contra o contrabando e as suas origens remontam similarmente ao século XIX:
Já as autoridades portuguesas representavam, no geral, uma ameaça menor às pretensões dos contrabandistas. Por norma, existiram determinados elementos desta força de segurança que «fechavam os olhos» às atividades de contrabando e descaminho.
A forma de atuação das autoridades espanholas era semelhante às autoridades portuguesas. Em Portugal, os Guardas-Fiscais também recorreram, em determinadas situações, à arma de fogo. Normalmente, a arma de fogo servia para demover os infratores, uma forma de aviso. O método mais recorrente passava pelo disparo de dois tiros para o ar e um disparo na direção do alvo, se necessário:
A apreensão das mercadorias era uma situação preferencial em Portugal, mas, no geral, os carabineiros também desenvolveram uma maior propensão para esta prática.

Emigração

Desde muito cedo os soajeiros emigraram para Lisboa, e a partir do sec. XVIII, para o Brasil e para os Estados Unidos da América.  Nos anos 60 do sec. XX a emigração continuou para os EUA, mas alargou-se também para a Europa  e principalmente para França, com uma diferença substancial. Enquanto a emigração para os Estados Unidos apelava a uma fixação nessas paragens, a emigração para a Europa é temporária e com o desejo permanente de voltar à terra de origem, onde vem passar as férias, compra casa e deseja regressar para passar a ultima etapa de vida na sua terra natal.
São conhecidos casos de soajeiros que, deixando a mulher grávida, nunca mais voltaram, constituindo outra família, no novo continente. E casos houve, em que as mulheres, vestidas de preto, esperaram por eles toda a vida e os pais apenas conheceram os filhos quando estes, após carta de chamada, os reencontraram no novo país!
Nos anos sessenta a emigração ilegal e clandestina “a salto”, com destino a França, irrompeu nas freguesias vizinhas do dois lados da fronteira e no Alto Minho, estendendo-se, em breve, ao país inteiro.
Pela Várzea e Lindoso passaram muitos portugueses, uns perseguidos pelas más condições de vida e pela falta de perspetiva duma vida melhor e perseguidos pelas autoridades e controlados pela PIDE como conta o soajeiro João Fernandes, no livro, Passagens dum Passador, (José Gomes Morais, 2007, Ed. Câmara Municipal de Arcos de Valdevez).
O Caminho do Sacramento referido por João Fernandes, o Miúdo, era o percurso de todos aqueles que procuravam na emigração um mundo melhor. Começava em Soajo, descia à ponte da Ladeira, passava em Cunhas, Paradela e na Várzea, nas poldras, no Salto, antes da Mistura das Águas, atravessava o rio Laboreiro. Era o rio que nos separava da Europa prometida. Reuniam-se no lugar da Ilha, no café Rico, e depois partiam em demanda das terras de França.
A emigração para a Europa representou a maior perda de habitantes destes lugares de que há memória. Em Soajo, em 1960 havia 2977 soajeiros registados. Em 1970 havia 2265, mas penas 251 residentes efetivos. Os restantes tinham emigrado (Passagem de um passador, Morais, José Gomes, ed. Município de Arcos de Valdevez).
Representou também o maior fluxo de verbas nestes territórios. Na freguesia de Soajo, foi visível através das novas roupas e utensílios, como pelas novas construções e da azáfama com que os funcionários bancários calcorreavam a estrada florestal, pelos lugares, nas carrinhas Renault 4, à procura dos francos enviados pelos emigrantes e estimuladas pelo governo português.
 Só mais tarde um banco abriu escritório na Vila de Soajo, com multibanco, evitando as deslocações dos funcionários, pelos lugares, acabando por encerrar em Fev 2014

Toda esta relação, anterior à nacionalidade, de proximidade e amizade com as gentes do lado de lá, se perdeu, porque a barragem do Rio Lima, veio dificultar a passagem da Várzea para o Olelas e, porque as aldeias de Azeredo e Buscalque, no lado galego, ficaram submersas e o seu povo espalhado pelos lugares próximos. Também a emigração dispersou os habitantes dos dois lados pela Europa e reduziu as possibilidades de trocas sociais e afectivas ao período das férias.
Contudo, no verão é com entusiasmo que vemos os soajeiros almoçarem em Entrimo, a irem ao banhos e feiras a Lobios, comprarem produtos hortícolas, panos e outros utensílios variados e comunicarem entre si como do mesmo povo se tratasse. E se não vemos mais galegos do lado de cá, é porque, para além da restauração, pouco mais temos para lhes oferecer, mas é um gosto vê-los a dançar e cantar nas festas da Peneda e de S. Bartolomeu, na Ponte da Barca.
Havia necessidade de transformar esta convivência milenar em algo produtivo e valorizador desta cultura e deste património, nomeadamente a criação duma rota do contrabando e da emigração, pelo caminho do Sacramento.
Esta zona geográfica entre Soajo, Castro Laboreiro, Lindoso, Lobios e  Entrimo detém uma história e uma natureza variada, onde se torna possível e desejável desenvolver projetos que, integrando o turismo de natureza, o turismo cultural, o enoturismo, o turismo cinegético, o turismo alimentar, o turismo em espaço rural e o turismo ativo, pudessem, ainda, desenvolver atividades e projetos decorrentes da exploração desportiva, turística e comercial do imenso e belo lago formado pela barragem do Lima.
Para tal é preciso que os investidores e as autarquias locais dos dois países, com uma visão prospetiva de futuro, congreguem esforços e mobilizem investimentos afectivos, sociais e financeiros,  de modo a tornarem possível o desenvolvimento desta região e da relação comum com uma história fraternal e milenar, tanto mais que a Comunidade Económica Europeia apoia estes projetos transfronteiriços.

Manuel Rodas





Questões em aberto neste artigo,
1.O posto da Várzea iniciou actividade no ano de ???
2.Terminou em ???
3.O posto de Paradela iniciou actividade no ano de ???
4. Terminou em ???



Dois videos que falam sobre esta proximidade 
A fronteira será escrita

https://www.youtube.com/watch?v=UN9G-C_EwHg






https://www.youtube.com/watch?v=vTT5Ib1XlIE&t=862s





quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Contos da Antiga Angkor



Do amigo Carlos Silveira mais um excelente documentário, a lembrar-nos que o mundo é muito desigual!
O que pensar nesta época natalícia, dos nossos valores de fraternidade, solidariedade e simplicidade, quando no outro lado do mundo adultos e crianças não têm passado, presente e nenhum futuro. Dá que pensar.
Como disse Gustave Flaubert, “Viajar faz de ti uma pessoa modesta. Percebes afinal que lugar minúsculo ocupas no mundo.”

https://vimeo.com/381580644

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

A pobreza





Donde vem a pobreza?

Adão e Eva sairam do paraíso com uma mão à frente e outra atrás
o mundo avançou, houve o dilúvio porque a obra estava imperfeita  e talvez houvesse mais sede que fome

Destruíram Sodoma e Gomorra porque os homens se amavam demais

Garrett pergunta quantos pobres são precisos para fazer um rico
e o árabe confidencia
Se o teu cão passa fome, 
qualquer pessoa que oferecer um pedaço de comida consegue afastá-lo de ti

A fome dói muito mais no coração do que na própria barriga.
Às vezes a pobreza  é tão profunda que a fome é pouca

A pobreza não vem da diminuição das riquezas, mas da multiplicação dos desejos, gritava Platão aos seus discípulos

A pobreza não sabe que é pobre. 
Sabe que a fome não passa, apenas dá voltas

Quando a pobreza souber que é pobre, deixa de o ser e será riqueza

O mal maior da humanidade é um singular composto de poucos males, a necessidade, a pobreza, a fome, a ignorância. 
Tudo no singular, porque é apenas uma coisa só

A pobreza é como um leão faminto. 
Se parares a olhar para ela, ela devora-te
......

Saiu a pobreza à rua
e espantou-se perante o que via

Era homem e mulher, criança e velho
negro e branco
limpo e sujo
cão e gato

Tudo estava com fome

Voltou para casa
sentou-se num velho sofá e adormeceu durante mais de mil anos

Quando acordou
todos eram ricos 
e alguns tinham saudade da pobreza

Feito um inquérito se apurou 
que eram os antigos ricos, 
investidores gananciosos e especuladores
...mas também havia alguns descendentes de pobres e de padres

A pobreza sentou-se num banco de jardim
fechou os pobres olhos e ... faleceu.

Manuel Rodas