sábado, 17 de outubro de 2020

Anjos de máscara

 




Quatro  anjos  voaram     de Inglaterra para minha casa.

Durante anos mantiveram conversas animadas na chaminé da lareira, entre o candelabro e um candeeiro de sal.

Mais tarde, pela mão da criança que sou, mudaram-se para cima do aquecedor e fiquei a vê-los a rodarem numa dança patética, em cima das minhas visões, para gáudio e ironia da minha família. A sombra projectava-se na parede, em formas deixando desenhos de festas e danças na minha memória.

Como no verão o aquecedor está desligado, a minha criança voltou a colocá-los em cima do frigorífico e, deste modo, com o calor da ventoinha voltaram a dançar, mas mais devagarinho. As histórias e conversas eram agora mais demoradas e compassadas.

Outro dia, a criança tentou pôr o iogurte a fermentar em cima do frigorífico, aproveitando o calor que dali emanava. 

Um dos anjos não gostou de tanta mudança e desapareceu.

Por isso, os outros  três anjos ficaram suspensos e inclinados no carrocel, cabisbaixos e mudos, deixaram de poder dançar. Também não conseguia ouvir o que diziam, pois a sua voz saía distorcida.

Procurei o anjo, pus anúncios, recompensas, cantei, fiz desenhos que colei na porta do frigorífico e...nada.

Quando imaginei o que poderia substituir o anjo desaparecido, brilhante e  dançarino, só me lembrava de prender  uma mosca que fizesse voar os outros três anjos. Também imaginava que viagem teria feito o desaparecido. Teria voltado para Inglaterra, ou para outras paragens?

Acordei aos gritos vindos da cozinha:

- O anjo, o anjo voltou!

Olhei para ele, de frente, à espera que me gritasse, o céu existe, mas nada! Silencioso e mudo, pensei que não gostava de ser substituído por uma mosca.

E agora, não tenho coragem de o voltar a prender no carrocel dourado, mas também não quero que fuja para Inglaterra e muito menos para a América. 

Libertei a mosca e pus o anjo no seu lugar, para gáudio dos outros três! 

Puxei a cadeira, sentei- me à sua frente e, todos à uma, perguntamos: 

-Diz lá o que viste, por onde andaste  e o que fazes de máscara?

MRodas



2 comentários:

  1. Imaginação não te falta! O 'fantástico' não é a minha 'praia' mas reconheço quem o faz bem! Parabéns - abraço cpfeio

    ResponderEliminar

Seja crítico, mas educado e construtivo nos seus comentários, pois poderão não ser publicados. Obrigado.